terça-feira, 27 de dezembro de 2016

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Lula 17

Hoje li que o Lula irá se lançar candidato logo em fevereiro de 2017. A fonte é o Estado de São Paulo. Se for verdade, é uma estratégia inteligente do Lula e péssimo pra renovação do PT, que sucumbe de vez ao lulopetismo. É bom pro Lula por dois motivos: primeiro, porque confronta permanentemente, com uma dimensão de Estado, a pinguela Temer; segundo, porque o protege da lava-jato. Calcule se o Lula fizer comícios reunindo milhões pelo Brasil afora, batendo na tecla da luta de classes, do pobre que ousou enfrentar a plutocracia paulista pra dar casa, tv de plasma e carro velho pro pobre. E o constrangimento dos procuradores da lava-jato...

Ainda o PT, o erro foi transformar estratégia em objetivo, ou seja, o Lulismo intensificou a mercadorização ao resumir incorporação ao consumismo. Quando não se pode mais consumir, vem a rejeição.Seguinte:

O reformismo, em todas as suas variantes, no limite, sempre desemboca na regressão ou, numa perspectiva histórica, os índices de avanço social justificam o processo de disputa da democracia eleitoral?

Os avanços obtidos pelos diversos tipos de reformismo são suficientes numa perspectiva histórica ou nada que o regresso adiante não desmonte?



SRN


"Tire o seu sorriso do meu caminho que eu quero passar com a minha dor"


"Tire o seu sorriso do meu caminho que eu quero passar com a minha dor". Na veia, Nelson Cavaquinho, contra a ditadura da alegria a qualquer preço.


SRN


Pintura sem arte


Candeia, "pintura sem arte".


SRN


domingo, 25 de dezembro de 2016

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

FlaxFlu e o pêndulo neoliberal


No FlaxFlu da política resumida a nomes, sem considerar a correlação de forças que há três décadas balança o pêndulo neoliberal, fico, neste fim de ano desgraçado, com a briga muito mais divertida entre Di Cavalcanti e Volpi, em 1953, após ambos dividirem o prêmio da II Bienal de Artes. Para Di Cavalcanti, era foda aturar o "carcamano que pinta bandeirinhas".


SRN


quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Oscar Niemeyer, Carioca e Rubro-Negro


O Rubro-Negro Carioca Oscar Niemeyer nasceu hoje. Machado de Assis ainda era vivo. E, daqui a 500 anos, tão significativo para o século XX, quanto Da Vinci para o Renascimento- segundo Darcy Ribeiro - será o único brasileiro de hoje ainda vivo.

SRN











terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Democracia representativa


A GRANDE ARTE DO SÉCULO XX: 13/12/1981, Tóquio

São desenhos distintos, feitos em momentos diferentes, que acabei de reunir no photoshop, numa composição de um analfabeto em tecnologia digital. 

Nunca desenhei o Andrade, uma cobrança que sempre me fiz. Andrade, aliás, foi o grande injustiçado naquela seleção de 82, a melhor que vi, pois entrava tranquilamente no lugar do Cerezo. 

Também falta o Lico, catarinense já veterano, mas que entrou como uma luva pelo lado esquerdo. 


Já tita jamais iria desenhar. Cria da Gávea, enchia o saco querendo o lugar do Zico, pra deixar de ser o falso ponta pela direita. Talvez tenha sido pra ele cunhada a expressão "jogar pra arquibancada". Como o Zico jogava praticamente todas, quando tita entrava no lugar fazia presepada pensando no lado esquerdo da tribuna de honra. Depois, foi se desmanchar de amores pro vice de São Cristóvão.



Um dia pinto esse time completo na fachada daqui de casa.


SRN


domingo, 11 de dezembro de 2016

A Suderj - digo, Odebrecht - informa:


Meu amigo Rubro-Negro, da graduação da UERJ, hoje um excelente professor de História, Alexandro Amorin, escalou o time, num 3-5-2, mas esqueceu-se do treinero:

No gol, Boca Mole; Santo, Mais Chato e Pólo; Todo Feio, Botafogo, Gremista, Gripado e Justiça; Angorá e Caju.
Sugiro botar o Scolari, já que se trata de 3-5-2. O cara ia ganhar logo o vestiário desse time com a seguinte palestra motivacional: "Pinochet torturou, matou e censurou, mas também fez coisas boas".

DIRETAS JÁ!!!

SRN


sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Mickey Temer


Achava que Temer era, ao menos, uma ratazana, das crias típicas do PMDB, o partido sem o qual ninguém governava. Sem chance. Um Mickey do interior, cujo Walt Disney ainda não se sabe se tucano ou não. Por hora, não. O Mickey caipira ia nomear, mas desnomeou, um tucano pra secretaria de governo. 

Não demora Fernando Henrique vai pro Itamarati...

SRN